Empresário de Ferreira impõe condição para conversar com o Grêmio e exige pedido de desculpas de três pessoas

Pablo Bueno, empresário do atacante Ferreira, concedeu entrevista à GaúchaZH nesta semana


Fonte: torcedores.com

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA
O litígio envolvendo Ferreira e o Grêmio ainda parece distante de terminar. Mas há uma reaproximação em curso, impulsionada pela direção gremista. No entanto, o empresário do atacante, Pablo Bueno, tem condições bem claras para voltar a conversar e possibilitar a retirada da ação de rescisão contratual na Justiça.



LEIA TAMBÉM: Renato diz que retornará ao Grêmio quando solicitado e minimiza ida à praia: "Não tenho função"


À GaúchaZH nesta segunda-feira, Bueno exigiu um pedido de desculpas público de três dirigentes gremistas. Depois disso, se mostra aberto ao diálogo:

Claro que sim, mas isso é algo que depende exclusivamente do Grêmio. Sempre foi assim, e eles sabem disso. Klaus Câmara (executivo de futebol), Paulo Luz (vice-presidente de futebol) e Kevin Krieger (diretor do grupo de transição) precisam pedir desculpas públicas pelo erro de tentar coagir, pressionar e ameaçar acabar com a carreira do Ferreira. Chegaram a dizer que ele ficaria um ano e meio sem jogar um coletivo em treino da transição. E também (precisam) assumir essas mentiras que contaram pra grande parte da grande mídia, que pedimos salário de R$ 250 mil. Quem é homem para fazer, é homem para assumir. Assim que eles assumirem os erros publicamente, nós retiramos a ação e sentamos para conversar”, comentou Bueno.

Futuro de Ferreira nas mãos do Grêmio
O empresário garante que a continuidade ou não do atacante de 22 anos, que atualmente está “rebaixado” à transição, é exclusivamente decisão a ser tomada pelo clube:

A permanência do Ferreira no Grêmio depende do Grêmio. É uma definição que está nas mãos de quem realmente manda no clube, não dos que acham que mandam. Se a direção achar que vale a pena a permanência do jogador, nós vamos conversar e ele fica, sem nenhum ressentimento. Nós sabemos que a instituição Grêmio é muito maior do que algumas pessoas. Fizemos a maior venda da história de um jogador de base no futebol brasileiro, a segunda maior venda da história do Grêmio. Sabemos negociar, e muito bem, os fatos comprovam. Só que imposição não é negociação. O que os três citados fizeram foi imposição, e isso não nos serve. Não temos vaidade e não estamos em disputa. Com um contrato justo, ele fica”, acrescentou.



A ação que transita na 23ª Vara do Trabalho de Porto Alegre alega “coação e pressão” para a assinatura do novo contrato proposto pela direção, cujo salário giraria na faixa dos R$ 30 mil com gatilhos de aumento ano a ano. Ferreira e o seu empresário Pablo Bueno queriam pelo menos R$ 50 mil. A partir da recusa, o jogador foi tirado do elenco principal e da Libertadores, dando início à longa novela.


Grêmio, Ferreira, Empresário, Acordo, Renovação, Diretoria, Imortal

Grêmio se afunda ainda mais em noite terrível no Chile e sente clamor por mudanças

Grêmio é recebido com protesto na Arena após derrota na Libertadores





Comentários



Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

22/9/2020









21/9/2020










Técnico mais longevo da Série A - 09:42 (0)

Renato Gaúcho completa 4 anos de Grêmio