Atletas rejeitam corte de salários e solicitam a CBF contra eventual calote

Em nota, federação nacional de atletas de futebol responde a ofertas feitas pela Comissão Nacional de Clubes. Confira o que pensam os representantes de jogadores


Fonte: Globoesporte.com

A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (FNAPF) rejeitou formalmente a proposta da Comissão Nacional dos Clubes (CNC) de redução de 25% dos salários dos jogadores durante o período de paralisação do futebol. O documento foi encaminhado nesta quarta-feira ao presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, representante da Comissão Nacional de Clubes (CNC).



LEIA TAMBÉM: Grêmio negocia férias e salários com elenco durante paralisação por coronavírus


A proposta de férias coletivas foi ajustada na resposta dos atletas. A entidade que representa os atletas aceita 30 dias de férias - entre 1 e 30 de abril, mas com pagamento integral das férias e o terço constitucional até o dia 4 de maio.

A proposta anterior dos clubes previa férias de 20 dias, com pagamento mais espaçado. A entidade também pede que fique garantido que os atletas tenham direito a licença remunerada de, no mínimo, 10 dias, entre o Natal e Ano Novo.

Outra condição para a formalização de acordo coletivo diz respeito ao pagamento de salário e de parcela de imagem referente ao mês de março até o dia 7 de abril.

Por fim, os atletas pedem garantias caso os clubes não acertem o pagamento. Cobram da CBF ser avalista deste acordo, "no caso dos clubes não paguem o salário e a parcela de imagem no mês de março e ainda as férias a serem gozadas em abril".

Veja o documento:





A entidade argumenta que a recusa na redução salarial se deve ao fato que ele não está previsto dentro da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Todas as decisões, segundo a FENAPAF, foram tomadas ouvindo sindicatos estaduais e municipais da categoria.

Em rede social, o presidente da FENAPAF, Felipe Augusto, enviou mensagem a jogadores e comunicou que enviou a contraproposta ao presidente do Fluminense.

Confira abaixo:
"A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol vem a público e a comunidade esportiva brasileira, em geral, dizer que segue acompanhando o desenrolar das tratativas a fim minorar os efeitos da paralisação das competições de futebol no país em decorrência da grave crise de saúde pela qual passa a humanidade.

Vimos aqui reiterar absoluta e irrestrita solidariedade às famílias das vítimas já acometidas pela enfermidade, sem não antes de ressaltar que estamos absolutamente vigilantes e dispostos à colaborar no sentido de incrementar de informações nos meios de comunicação as orientações emitidas pelos órgãos de saúde governamentais.

Para isto, os atletas de futebol profissional do Brasil não se furtarão de colocar as suas imagens e mensagens de cuidados redobrados e atenção aos comandos das organizações de saúde, prioritariamente o isolamento social, não aglomerar e fazer constante higienização.

Igual modo, saibam que todos estamos dispostos a dividir soluções conjuntas para que os custos da reconstrução sejam compartilhados, afinal de contas, somos um só povo, na alegria e na tristeza.

Sobre a proposta apresentada pela Comissão Nacional de Clubes sobre a sequência do cumprimento das obrigações contratuais durante o período da paralisação, informamos que a posição colhida dos sindicatos de classe e da grande maioria dos atletas, e remetidas à esta Federação, foi enviada oficialmente ao representante da Comissão, Dr. Mário Bittencourt, expediente deste 25/03/20, às 17h.



Reiteramos que o momento é de união de todos pois juntos iremos ganhar este campeonato da saúde e da vida, nosso bem maior."


Grêmio, Proposta, Salário, Jogadores, CBF, Crise, Imortal

Grêmio divulga balanço financeiro dos meses de janeiro a março de 2020

Leia também: Grêmio quer fatia de R 120 milhões milhões de parceiros para vender Cebolinha ao Napoli





Comentários



Alexandre Souza     

Tem que pegar os clubes e fazer isso nem um pagar só o salário pra eles aprederem a ajudar o clube

Alexandre Souza     

Isso aí é para os dirigentes dos clubes aprender querem pagar um salário absurdo para os jogadores tem que pegar esses jogadores que não querem parcelar o salário no final do contrato reduzir o salári

Um trabalhador para nao perder seu emprego com certeza aceitaria uma reducao do seu salario mais jogador de futebol duvido muito pois ganham tao pouquinho tadinhos bando de mercenarios

Um trabalhador para nao perder seu emprego com

Na verdade são egoistas que só pensam em si próprios,como vão ostentar? Não estão nem aí,só pensam neles mesmos;amor a camiseta nem pensar.

Deivid Miotto     

Simples...sem arrecadação, sem grana a pagar...demissão! Quem não aceita, seja quem for...até mais!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

24/5/2020









23/5/2020