Comerciantes do Entorno da Arena do Grêmio enfrentam Insegurança durante Hiato de Jogos.


Fonte: -

Comerciantes do Entorno da Arena do Grêmio enfrentam Insegurança durante Hiato de Jogos.

As ruas do bairro Humaitá, na Zona Norte de Porto Alegre , ainda são caminho até a Arena do Grêmio . Diferente dos dias de jogos, em que as vias são tomadas por gremistas, há entulhos de lixo e sujeira levada até ali pelas águas do Guaíba, no que foi a maior enchente da história do Rio Grande do Sul. Quem trabalha no entorno do estádio e vive do movimento dos jogos encara agora a insegurança de não ter renda. Um dos locais mais tradicionais de concentração pré-jogo é o Bar D'Julia, bem em frente à Arena. Lá, a água alcançou cerca de 2,15 metros. Os engradados de cerveja fechados estão sujos de barro. O local é administrado por Jéssica da Silva Bueno, de 33 anos. Além dela, outras sete pessoas da família dependem da renda do estabelecimento, um deles é um idoso de 97 anos, além de duas crianças. Em dias de jogos considerados grandes, Jéssica aponta que o faturamento chega em até R$ 15 mil, mas a média gira entre R$ 3 mil e R$ 4 mil. O bar virou um ponto de produção e distribuição de marmitas. São 500 "quentinhas" doadas diariamente junto à Associação Comunitária Quintana. Enquanto participa de ações voluntárias, Jéssica se vê sem ideia sobre o que vai acontecer. "Não posso esperar o jogo voltar. Não tenho ideia de renda para o próximo mês. E não se sabe nem como vamos retomar", conta. Retroescavadeira atua na limpeza da região, que ainda concentra lixo deixado pela enchente e resíduos descartados das casas atingidas.

Retroescavadeira atua na limpeza da região, que ainda concentra lixo deixado pela enchente e resíduos descartados das casas atingidas.
Foto: Leonardo Catto/Estadão / Estadão

Na quadra ao lado, o casal Denilson Braga, 29, e Taís Silva, 30, trabalhava em dias de jogos com venda de bebidas. Eles também alugavam a churrasqueira da própria casa por R$ 250 para grupos de torcedores que faziam o chamado "alentaço" antes das partidas. Ele trabalha como pintor, e ela é caixa de loja. A mobilização a cada partida era renda extra e entregava um faturamento entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil, em média. Em jogos decisivos, isso chegava em até R$ 5 mil. Quando questionados se pretendem retomar o negócio, ambos respondem em uníssono que sim. "Por enquanto, não é a renda principal, mas queremos que seja", conta Denilson. As vendas são feitas em uma parte externa, próxima à churrasqueira. Atrás, é a casa onde eles moram, que ficou submersa. Eles ainda não voltaram para lá de fato, já que perderam móveis, inclusive cama. O relato é de abandono da região. "Falta olhar para cá, tanto das empresas, quanto poder público", desabafa Jessica. Tais e Denilson querem retomar trabalhos em dias de jogos, mas têm como desafio reconstruir o interior da casa.

Tais e Denilson querem retomar trabalhos em dias de jogos, mas têm como desafio reconstruir o interior da casa.
Foto: Leonardo Catto/Estadão / Estadão

Cenário próximo da Arena ainda é caótico. Diferente de regiões centrais e na Zona Sul ainda há muito lixo nas ruas e avenidas da Zona Norte. Elas continuam tomadas por barro e forte cheiro de esgoto. A região historicamente tem infraestrutura pior em relação a outros locais da capital gaúcha e abriga, em boa parte, população mais vulnerável. Nesta terça-feira, 11, retroescavadeiras e caminhões do Exército Brasileiro atuavam na limpeza. O Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) indicou três locais do Humaitá que receberam ações ainda pela manhã. O órgão tem 400 agentes, além de outros 3,5 mil cooperados da Cootravipa e 500 funcionários de uma empresa privada.

Ele afirma que entende a "sensação de abandono" citada por moradores da região, mas garante a atuação efetiva. "As pessoas veem muito volume e acham que o poder público não esteve lá. Mas já fomos e estamos voltando. É uma sensação visual e de perda dos objetos, psicólogo abalado. Perderam memórias afetivas", refletiu No último domingo, dia 8, a Arena do Grêmio sediou um mutirão para facilitar acesso a serviços sociais para moradores dos bairros Humaitá, Anchieta e Farrapos. Além de a água ter tomado grande parte da região, o escoamento foi mais demorado que em outros pontos da cidade. Na ação feita na casa do tricolor gaúcho, 2 mil pessoas foram atendidas, e o serviço mais procurado foi a confecção de novas carteiras de identidade pelo Instituto Geral de Perícias (IGP), já que o desastre fez com que documentos fossem perdidos. Último lugar a ver água baixar.

Os jogadores colorados têm atividades em outra instalação, o CT de Alvorada, normalmente utilizado pelas categorias de base. Já os gremistas treinam nas instalações do Corinthians . O próximo compromisso do tricolor gaúcho é nesta quinta-feira, 13, contra o Flamengo , no Maracanã. A enchente que atingiu o Rio Grande do Sul no mês de maio foi a pior da história do Estado. Dos 497 municípios gaúchos, 478 foram afetados. Até o momento, conforme o último boletim da Defesa Civil, atualizado na segunda-feira, 9, 423 mil pessoas continuam desalojadas, e 38, desaparecidas. Ao todo, foram 173 mortes em decorrência da tragédia.



VEJA TAMBÉM
- Clássico Gre-Nal 442: transmissão e escalações
- QUANDO VOLTA? Grêmio critica gestão da Arena por falta de informações básicas
- Retornos importantes para o Grêmio no clássico GreNal 442






Comentários



Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

21/6/2024