Renato apoia paralisação do Brasileirão e propõe não rebaixamento de times gaúchos.


Fonte: -

Renato apoia paralisação do Brasileirão e propõe não rebaixamento de times gaúchos.

Técnico do Grêmio, um dos clubes diretamente afetados pela tragédia no Rio Grande do Sul, Renato Gaúcho se mostrou favorável à paralisação do Brasileirão. E também opinou sobre a possibilidade de os clubes gaúchos não serem rebaixados nesta temporada na elite nacional. Em entrevista ao programa Boleiragem, do Sportv, Renato, que não escondeu a emoção, também citou a difícil sequência que o Grêmio terá pela frente, com jogos decisivos pela CONMEBOL Libertadores intercalados com compromissos pela Série A. O comandante gremista ainda citou a difícil situação no sul do país, que muito além de sequelas materiais, uma vez que muitas famílias perderam suas casas, também trará uma carga emocional muito grande.

No dia que eu saí do outro hotel, que o prefeito (de Porto Alegre) pediu para as outras pessoas evacuarem a cidade, eu cruzei com 4, 5 jogadores e me assustei. Me assustei com o que eles estavam me falando, as famílias deles muito assustadas, os filhos, praticamente todo mundo foi embora de lá de carro para o Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, Argentina, Paraguai, Uruguai, porque temos muitos jogadores desses estados todos, países, e todo mundo saiu correndo da cidade, justamente porque estavam todos assustados", começou por dizer.

No momento que eu encontrei com o meu grupo, hoje eles estão mais tranquilos, mas com certeza vou ter que trabalhar bastante a parte psicológica deles porque toda hora eles me perguntam quando vão poder ver a família, estão preocupados com a família, com o que está acontecendo no Sul. Todo mundo tem amigos, parentes, família. É uma situação muito delicada, aí você me pergunta se eu sou contra ou a favor da paralisação do campeonato. Eu sou 101% para parar o campeonato. Eu entendo a parte financeira de alguns clubes, eles precisam andar, mas o que é mais importante, a parte financeira ou as vidas humanas? É inacreditável", prosseguiu.

"E outra, eu já estou avisando agora porque eu já vejo muitas coisas acontecerem lá na frente: a conta para o Grêmio, Internacional e Juventude, infelizmente, vai chegar ali na frente. O Grêmio vai ficar um mês sem jogar, vai jogar na próxima quarta uma final de Libertadores praticamente, três dias depois vai ter que jogar uma partida pelo Campeonato Brasileiro, talvez aqui em Curitiba ou no Rio. Isso no sábado à noite. O Grêmio viaja domingo, 5, 6 horas de viagem, vai para o Chile para jogar na terça outra final de Libertadores. Sai do Chile, 5,6 horas, para no sábado jogar outra final da Libertadores. Como é que faz? Cansaço, parte psicológica, os adversários estão com ritmo de jogo, meu grupo não está, quarta-feira faz um mês sem jogo, a gente está em uma mini pré-temporada. Daqui a pouco você não tem os resultados na Libertadores e o Grêmio sai da Libertadores, você não tem os resultados no Brasileiro, daqui a pouco a gente vai para a zona de rebaixamento".

Em relação ao não rebaixamento dos times gaúchos no Brasileirão, Renato se disse a favor, mas afirmou que está é uma decisão que cabe, única e exclusivamente, à CBF (Confederação Brasileira de Futebol). "Nem contra, nem a favor. Entendo que os outros clubes da segunda divisão estão brigando para subir, mas aí cabe à CBF arrumar uma solução. Então sobem os quatro e não cai ninguém, na pandemia a gente viu o que a gente sofreu também. Praticamente é uma situação muito difícil que os clubes gaúchos vão ficar muito para trás na parte física, no ritmo de jogo, na parte psicológica. \'Agora as águas do Rio Grande do Sul vão baixar e tudo volta ao normal\', eu acho que muito coisa, infelizmente, vai continuar acontecendo, e a parte psicológica dos jogadores vai ser afetada. Seria a melhor ideia (não ter o rebaixamento), agora, eu penso dessa forma, aí cabe à diretoria, presidente do Grêmio, conversar com a CBF, aí tem o Internacional, Juventude. E saber o que os outros clubes pensam porque, infelizmente, mais uma vez aconteceu no Rio Grande do Sul. A gente torce para não acontecer em lugar nenhum, mas amanhã ou depois pode acontecer em outro estado", disse.

Renato ainda comentou sobre a recente declaração de Marcos Braz, vice-presidente de futebol do Flamengo, que se mostrou preocupado com a possibilidade de, por conta da suspensão das rodadas 7 e 8 do Brasileirão, o Rubro-Negro ter mais jogos remarcados para a Data Fifa, quando o time é desfalcado por conta das convocações. E o comandante gremista deixou a sua opinião sobre o que disse o dirigente.

"Eu gosto muito do Braz, tive o prazer de trabalhar com ele. Isso porque ele tem aqueles três timaços (risos), imagina o Grêmio, e ainda com todos esses problemas que a gente está vivendo, eu vou ter jogadores convocados e não serão poucos, 3, 4 jogadores que vão servir as seleções. Villasanti, Soteldo, Felipe (Carballo), que está recuperado agora, o Franco (Cristaldo), que se naturalizou paraguaio. E o Braz está reclamando com tudo aquilo, se ele está no meu lugar então, o que ele faz? É por isso que eu falo, futebol brasileiro são muitas competições e cada um puxa sardinha para o lado, e eu ainda continuo falando: tinha que parar o campeonato que todos esses problemas estariam resolvidos".

Próximos jogos do Grêmio: The Strongest (C) - 29/05, 19h (de Brasília) - CONMEBOL Libertadores Botafogo (F) - 01/06, 21h (de Brasília) - Brasileirão Huachipato (F) - 04/06, 21h (de Brasília) - CONMEBOL Libertadores



VEJA TAMBÉM
- Clássico Gre-Nal 442: transmissão e escalações
- QUANDO VOLTA? Grêmio critica gestão da Arena por falta de informações básicas
- Retornos importantes para o Grêmio no clássico GreNal 442






Comentários



Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

22/6/2024






21/6/2024