[OFF] Rizek: Caboclo promete ao governo federal a troca de Tite por Renato Gaúcho na terça-feira

Presidente da CBF, porém, sofre pressão para se licenciar após denúncias de funcionária


Fonte: Globoesporte.com

Depois das manifestações de Tite e do capitão Casemiro, mostrando que comissão técnica e jogadores da seleção brasileira não estão confortáveis em jogar a Copa América no Brasil, o governo federal recebeu uma mensagem tranquilizadora do (ainda) presidente da CBF, Rogério Caboclo. No que depender dele, a Seleção terá um novo técnico na competição: Renato Gaúcho.



LEIA TAMBÉM: Vice de futebol do Grêmio celebra conquista da Recopa: "Mentalidade vencedora"


Tite passou a ser atacado por apoiadores do governo, como se sua posição tivesse a ver com alguma simpatia política aos partidos que, hoje, fazem oposição a Bolsonaro. O governo ouviu uma resposta tranquilizadora de Caboclo no sábado: Tite será demitido, e um novo técnico, Renato Gaúcho, fará uma convocação com os principais jogadores para a Copa América. Usará como argumento, inclusive, o fato de estar chegando e precisar do torneio para montar um time, a um ano e meio da Copa do Mundo.

Renato é um declarado apoiador de Bolsonaro, o que faz com que o governo fique ainda mais feliz com este possível desfecho.

Ao demitir Tite, Caboclo também passaria o recado de que segue no comando e não admite insubordinação. A dúvida é se o próprio Caboclo não cai antes de terça, já que o dirigente vem derretendo dia após dia com as denúncias sobre sua gestão.

A maioria dos diretores da entidade defende o afastamento imediato do presidente, acusado por uma funcionária de assédio moral e assédio sexual, como mostrou o ge. Ele nega.

No sábado, por e-mail, o diretor de Governança e Conformidade da CBF, André Megale, recomendou a Caboclo que se licencie do cargo por tempo determinado para "comprovar sua inocência". Isolado no cargo, o dirigente também está em guerra com a comissão técnica e os jogadores da seleção brasileira convocados para os jogos das eliminatórias.

Mas o que o governo tem a ver com técnico da Seleção? O Planalto é o grande fiador da realização da Copa América no Brasil. A CBF recebeu um pedido da Conmebol para socorrer a entidade depois da recusa de Colômbia e Argentina em sediar a competição, na qual ela já investiu mais de US$ 30 milhões — o país sede não recebe nada, diretamente, para organizar o torneio.

O secretário geral da CBF, Walter Feldman, entrou em contato com o governo e o mais forte ministro de Bolsonaro, General Luis Eduardo Ramos, que pessoalmente cuidou de viabilizar tudo.

O Planalto entende que esta Copa América pode ser uma grande vitória política, de o governo mostrar que o país tem capacidade de organizar uma competição continental em questão de dias, na linha: "A Argentina desistiu, a gente foi lá, fez e foi um sucesso".

O governo considera que, se o Brasil ganhar, com Neymar levantando a taça no Maracanã, na presença do presidente da República, será mais um ponto (político) a favor de Bolsonaro.



Por isso, membros do governo foram surpreendidos quando viram o posicionamento do técnico Tite e dos jogadores, que não estão dispostos a jogar a competição — querem férias, depois da temporada desgastante na Europa. E exigiram explicações da CBF: "Como pode o governo fazer todo esse esforço para sediar a competição, e o time ser contra o torneio?".






Grêmio, CBF, Futebol, Tite, Seleção, Renato, Imortal

LEIA TAMBÉM: Grêmio torce contra rivais para não se complicar e dar início a recuperação no Brasileiro

Sob o comando de Tiago Nunes, Grêmio vive seca de gols em momento delicado




Comentários



Rodinei Gosch     

SE FOR PRA SER TREINADOR PAU MANDADO COLOQUE QUEM QUISER, RENATO NÃO VAI ACEITAR SE NÃO FOR DO GEITO DELE.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

19/6/2021











18/6/2021