CBF explica o motivo de querer iniciar o Brasileirão em agosto; confira

É uma espécie de limite para entregar os calendários de 2020 e 2021 com segurança. Reunião de quinta-feira só deu a data, porque os clubes pediram


Fonte: Globoesporte.com

O departamento técnico da CBF disse aos clubes, no início da vídeo-conferência de quinta-feira (25), que o Campeonato Brasileiro não esperará pelo final de todos os estaduais. Foi por isso que os clubes solicitaram uma data de previsão para o começo do Brasileirão. A CBF, então, projetou: 9 de agosto.



LEIA TAMBÉM: [COMENTE] Qual a sua opinião sobre o Brasileirão voltar em agosto e ser concluído em fevereiro?


Depois da divulgação do dia em que a confederação pretende iniciar a principal competição nacional, dirigentes se manifestaram dizendo que preferiam o dia 16, como você leu nesta manhã neste blog.

Por causa disso, o departamento técnico da CBF procurou o blog para esclarecer que considera o dia 9 de agosto a data limite para entregar, com segurança, todos os compromissos das temporadas de 2020 e de 2021. Atrasar a decisão da Copa do Brasil, por exemplo, levaria à não indicação de um representante brasileiro na Libertadores do ano que vem. Atrasar o Brasileirão seria um risco ainda maior.

"Em Goiás, faltam oito datas, no Rio Grande do Sul faltam sete. Cada estado tem uma condição diferente", diz o diretor do departamento de competições, Manoel Flores. Quer dizer, que o Rio Grande do Sul pode começar no dia 25 de julho e só terminar no dia 16 de agosto, impedindo o início do Brasileirão até mesmo uma semana depois da projeção atual.

Ou a situação sanitária entre os gaúchos pode não melhorar e obrigar o campeonato a ser retomado só em agosto. Daí a ideia central de começar o Brasileiro em tempo de unir a temporada 2020 à 2021 e sem esperar o fim dos estaduais.

Foi por causa deste anúncio que os clubes fizeram questão da previsão de uma data.

Os clubes de São Paulo manifestaram-se contrariamente à decisão do dia 9 ainda na assembleia e o Athletico Paranaense não aceitou a hipótese de jogar em outra cidade se não houver liberação em Curitiba. O acordo, aceito por 19 dos 20 clubes, é que os times de municípios sem liberação das secretarias de saúde até 9 de agosto jogarão em outro lugar. Só o Athletico não concorda.

De fato, é um exercício duro formatar o calendário com competições que classificam umas para as outras. De fato, o tempo não será farto para terminar esta temporada até fevereiro e iniciar a próxima na sequência. O que os clubes contrários alegam é que podem precisar disputar jogos em tempo escasso e correr o risco grave de lesões. No fundo, todo mundo tem uma parte de razão. Mas vai precisar haver entendimento.

Como se diz aqui desde o início da pandemia, o grande exemplo é o Campeonato Paulista de 1918, paralisado durante a pandemia da gripe espanhola. Só terminou e teve o Paulistano como campeão, porque houve consenso. O Paulistano disputou 16 jogos e o Santos, quarto colocado, jogou só 12. Era mais fácil, porque o futebol era incipiente e não havia rebaixamento.



Mas só se concluiu, porque houve bom senso. É o que vai precisar acontecer agora. A explicação da CBF para projetar a data de 9 de agosto tem lógica e não visa a beneficiar ou prejudicar nenhum clube. O ponto central será convencer todos os times que se manifestam a favor do início no dia 16 de agosto de que será necessário pensar no maior campeonato do país.


Grêmio, CBF, Brasileirão, Início, Agosto, Motivo, Imortal

Dois ônibus, protocolos e até sede no Brasileirão: veja como será o planejamento do Grêmio para treinar em SC

PDT coloca Bolzan como candidato ao Governo do RS em 2022; presidente do Grêmio se manifesta





Comentários



Nilton Gremista     

Para que continuar com o gaucho?!?!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

10/7/2020











9/7/2020








Treinos no CT Luiz Carvalho - 13:01 (0)

Atletas seguem com treino físico no CT Luiz Carvalho