Bolzan analisa calendário "atropelado" e afirma que clubes ainda estão desunidos em meio a crise

Romildo Bolzan defende manutenção do formato atual do Brasileirão, mesmo com jogos no próximo ano, e disputa dos campeonatos estaduais até o fim


Fonte: Globoesporte.com

Foto: Eduardo Moura
Visto a crise que o mundo se encontra devido a pandemia do coronavírus, é quase inevitável que o calendário e as diversas competições sofram alterações consideráveis, como o Campeonato Brasileiro. Por outro lado, há quem defenda a tradicional disputa. Romildo Bolzan, presidente do Grêmio, por exemplo, defende a manutenção do formato com 38 rodadas, mesmo que isso force jogos em 2021.



LEIA TAMBÉM: Conmebol não tem mais convicção de que final do torneio ocorrerá em 21 de novembro


O mandatário, que foi infectado pelo coronavírus mas já curado, também não vê na crise um cenário para união dos clubes. O momento delicado justifica a opinião de Romildo, que cita até mesmo o acordo com jogadores para readequação financeira como dificultador em todo processo de mudança.

- Já foi difícil ter uniformidade para tratar com os jogadores. Então, não vejo como a crise vai nos tornar melhores, mais corporativos, mais unidos e vamos revisar vários conceitos. Pelo contrário, acho que vamos ter que atropelar os calendários para cumprir os que ficaram atrasados - comentou Romildo em entrevista à RBS TV.

"Essas modificações têm que ser culturais e trabalhadas pelos clubes de maneira corporativa. Não acredito que a crise seja momento. A crise nos dá luzes. Mas não são momentos oportunos para fazer consensos novos" (Romildo Bolzan)

Ainda na opinião de Bolzan, o calendário de 2020 precisa ser completo para cumprir os acordos previamente feitos entre clubes e parceiros comerciais, inclusive exige que tenha a finalização dos estaduais. O presidente tricolor admite que o Brasileirão possa se estender até janeiro de 2021.

Esse ajuste nos permite, se não for possível concluir o campeonato em 2020, fazer no começo de janeiro. É uma possibilidade que não pode ser descartada. Fórmula não muda, porque todos os campeonatos são contratualizados. Alterar isso seria revolução às avessas. Não teríamos como repactuar com terceiros — justifica o dirigente.

Além das férias coletivas, o Grêmio acertou uma redução nos direitos de imagem dos jogadores, que irão receber os valores do período sem jogos parceladamente em 2021. O mesmo acontecerá com funcionários e comissão técnica, incluindo Renato Gaúcho.



Enquanto o Gauchão está suspenso por tempo indeterminado, a Libertadores tem previsão para voltar em 5 de maio. Mas a Conmebol já admite estender a paralisação. O Brasileirão segue sem data para começar.


Grêmio, Romildo Bolzan, Calendário, Brasileirão, Coronavírus, Tricolor

Grêmio divulga balanço financeiro dos meses de janeiro a março de 2020

Leia também: Grêmio quer fatia de R 120 milhões milhões de parceiros para vender Cebolinha ao Napoli





Comentários



Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

28/5/2020

Matheus Henrique e Arthur - 10:03 (0)

Matheus Henrique já superou Arthur no Grêmio?



27/5/2020