DEIXE SUA MENSAGEM: Renato completa 3 anos de Grêmio!


Fonte: ESPN.com

(Foto: Getty Images)
O dia 15 de setembro é histórico para o Grêmio. Afinal, é a data da fundação do clube, em 1903. Mas há um outro dia do mesmo mês que marca a história do clube gaúcho: 18 de setembro de 2016, a volta de Renato Gaúcho.



O treinador, na época com 54 anos, assumiu o comando gremista depois de duras derrotas do time de Roger Machado no Campeonato Brasileiro - principalmente as sofridas para Coritiba e Ponte Preta.

Renato não trabalhava como técnico desde abril de 2014. Mesmo assim, com o respaldo do presidente Romildo Bolzan e ao lado do técnico campeão mundial Valdir Espinosa, ele chegava em Porto Alegre para sua terceira passagem na função com o Grêmio.


O começo e o penta da Copa do Brasil

A primeira partida de Renato em seu retorno foi contra o Athletico-PR, na volta das oitavas da Copa do Brasil. Mesmo com a vantagem no agregado e jogando em sua Arena, o Grêmio perdeu por 1 a 0. Nos pênaltis, Marcelo Grohe, que havia falhado no gol de André Lima, salvou. Era a primeira classificação de várias que estavam por vir para o treinador.

Já com Ramiro jogando pela direita - ao lado de Luan, Pedro Rocha e Douglas -, o Grêmio caminhou para o pentacampeonato da Copa do Brasil. Contra o Palmeiras, nas quartas, 2 a 1 em Porto Alegre e 1 a 1 em São Paulo - com gol do ainda promissor Everton Cebolinha.

Depois, o futuro de Renato passava por Minas Gerais. O 2 a 0 sobre o Cruzeiro no Mineirão, seguido pelo 0 a 0 na Arena, colocou o Grêmio na decisão. O rival era o Atlético-MG e, mais uma vez, o resultado em Belo Horizonte foi decisivo. 3 a 1 na ida, com dois gols de Pedro Rocha e um de Cebolinha. 1 a 1 na volta, e o primeiro título da nova 'era Renato' acabava com uma seca de conquistas gremistas que já durava 15 anos.

E era apenas o começo.

O tri da América

2017 começou para o Grêmio com um foco determinado: a reconquista da Copa Libertadores.

Para alcançar sua meta, o clube foi para o mercado e olhou para sua base. O volante Arthur ganhou espaço entre os titulares, assim como Jailson. Os dois garotos foram os titulares nos duelos da final contra o argentino Lanús, que fechou a campanha gremista do tricampeonato da América.

Mas eles não eram as únicas novidades: Michel, destaque da Série B no ano anterior, também foi importante, assim como o Cícero, contratado antes das semifinais e autor do único gol na primeira partida da decisão. Isso sem falar, claro, de um dos ídolos da torcida na temporada, o paraguaio Lucas Barrios - que balançou as redes seis vezes na campanha do título.

Os também recém-chegados Cortez e Léo Moura ocuparam as laterais. Geromel e Kannemann se firmaram como a grande dupla de zaga do futebol brasileiro. Até mesmo o atacante Jael, contestado em 2017 antes de cair na graças da torcida, foi importante na campanha. Tudo isso ao redor de Luan, dono da lendária camisa 7, que brilhou e foi eleito o Rei da América.

2018 de altos e baixos

2018 começou com disputa de título para o Grêmio. Após conquistar a Libertadores, a equipe teve um desafio na Argentina: enfrentar o Independiente, pela Recopa Sul-Americana.

Dois empates, por 1 a 1 na Argentina e 0 a 0 em Porto Alegre, levaram a decisão para os pênaltis. Foi quando brilhou mais uma vez a estrela de Marcelo Grohe, e os gaúchos levantaram o troféu pela 2ª vez na história.

Alguns jogadores do time campeão da América deixaram a equipe, como Edílson, Fernandinho e Barrios. Apesar das mudanças, o clube conseguiu manter o nível. Everton foi alçado ao posto de titular e começou a aparecer.

O começo no campeonato gaúcho foi péssimo, muito por conta da utilização do time de transição, e o rebaixamento chegou até a ser cogitado. O Grêmio só conseguiu a classificação para o mata-mata na última rodada com uma vitória no Grenal por 2 a 1 no Beira-Rio.

O destino colocou mais uma vez o maior clássico do estado no horizonte. O passeio do primeiro jogo aconteceu na Arena. Vitória de 3 a 0 com show da equipe. A derrota por 2 a 0 no Beira-Rio não afetou os planos do time, que chegou até a final e ganhou o título sobre o Brasil de Pelotas.

Arthur, destaque na temporada anterior, continuava na equipe. O jogador atuou até o meio do ano antes de se transferir para o Barcelona. Jailson, outro volante titular no título continental, foi embora para o Fenerbahce em agosto.

Mesmo utilizando os reservas em boa parte do ano no Brasileirão, o clube chegou ao 4º lugar e garantiu a vaga para a Libertadores de 2019.

Na Copa do Brasil, eliminação para o Flamengo ainda nas quartas de final. Já na Libertadores, uma épica classificação contra o Estudiantes nas oitavas: derrotado por 2 a 1 na Argentina, o Grêmio devolveu o placar na Arena. Gol de Alisson aos 47 minutos da segunda etapa e classificação nos pênaltis.

Depois de passar pelo Atlético Tucumán nas quartas, o River Plate foi o rival da semi. Após vencer no Monumental de Nuñez por 1 a 0, os gaúchos abriram o placar em Porto Alegre, mas sofreram dois gols em cinco minutos e foram eliminados.

O VAR foi um dos elementos essenciais da eliminação gremista. Além de muita reclamação por suposto toque de mão no primeiro gol argentino - inclusive por parte de Renato e do presidente Romildo Bolzan -, o árbitro de vídeo também foi responsável pela marcação de um pênalti de Bressa, que culminou com a expulsão do zagueiro e com a virada do River.

Apesar de não vencer nenhum campeonato no segundo turno, mais mudanças no elenco: Matheus Henrique, Jean Pyerre e Pepê tiveram chances. Jael se afirmou como o centroavante titular. Luan sofreu com as lesões e caiu de rendimento.

O melhor futebol do Brasil?

Renato já ganhou fama por falar a frase acima - mas como afirmação, e não interrogação. Para ele, o Grêmio tem o melhor futebol do Brasil.

Em 2019, o treinador venceu o bicampeonato gaúcho ao vencer o Inter na decisão - com o goleiro Paulo Victor, dono da vaga depois da venda de Marcelo Grohe para o Al-Ittihad, resolvendo nos pênaltis.

Mas a temporada tem sido a mais contestada do Grêmio nesta 'era Renato'. Mesmo com a chegada de Diego Tardelli - e a permanência de Cebolinha -, o time não brigou pelo topo do Campeonato Brasileiro. O começo da campanha na Libertadores foi trágico, com duas derrotas e um empate nas três primeiras rodadas.

Mas o Grêmio cresceu no torneio continental. Foram três vitórias seguidas na fase de grupo que garantiram uma vaga nas oitavas. Depois, resultados imponentes contra o Libertad nas oitavas, seguidos pela heroica virada sobre o Palmeiras, colocaram o grupo de Renato na terceira semifinal consecutiva.

Na Copa do Brasil, a busca pelo hexa acabou contra o Athletico, quando os paranaenses reverteram uma desvantagem de 2 a 0 e avançaram nos pênaltis. Agora, no aniversário de três anos da nova 'era Renato', o Grêmio tem uma meta: vencer mais uma vez a América. E com o Flamengo pela frente, a pedra no caminho é uma das maiores enfrentadas pelo treinador.



Assim como fez quando era jogador, Renato mudou o Grêmio. O eterno camisa 7 fincou seus pés como o grande nome da história do clube, e quem pode duvidar? Afinal, ele tem uma estátua na porta da Arena como prova.




Grêmio, Imortal, Tricolor, Renato

VEJA: Clique aqui e veja as promoções que a Network BG preparou para você acompanhar todos os jogos da temporada

LEIA TAMBÉM: Vitória contra o Palmeiras serão exemplos para virada tricolor no Maracanã

Clique aqui e confira séries, comentários, filmes e tudo sobre futebol! Teste agora!<\a>



Comentários



Renato Portallupi,és uma lenda viva,obrigado por você existir,você é sinônimo de Gremismo.Aliás merece mais do que uma estátua, ou seja não só na Arena Gremista,mas em diversos lugares,bustos por exemplo,IMORTAL.

Edemar Rodrigues     

Um grende treinador que possa ter mais alegria neste ano ainda...

Júlio Hermes     

Rumo a mais tres anos

Que venham mais três anos, pelo menos.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

15/10/2019









14/10/2019