Ligas independentes se estruturam por novo Brasileirão, mas seguem sem diálogo sobre unificação


Fonte: Goal

Divergência ainda é a distribuição de receita entre os clubes participantes da liga independente do futebol brasileiro

As ligas independentes do futebol brasileiro — Liga do Brasil (Libra) e Liga Forte Futebol — têm dificuldades para manter um diálogo sobre unificação, como soube a GOAL. O problema é antigo e não teve qualquer tipo de evolução recentemente. A reportagem conversou com fontes ligadas às duas entidades, que adotam cautela sobre o tema.



Não há qualquer tipo de reunião, encontro ou conversa agendada para os próximos dias. O diálogo é inexistente no momento, mesmo que os integrantes da Libra — que conta com Corinthians, Flamengo, Palmeiras, Santos e São Paulo — ainda estejam confiantes sobre a adesão dos demais clubes do futebol brasileiro.

Com a falta de diálogo entre as partes — a principal divergência é a distribuição de receitas —, as duas ligas já se estruturam nos bastidores. A Libra tem acordo com a BTG Pactual e busca parceiros para viabilizar o pagamento feito aos clubes e conversou com Globo e Amazon pelos direitos de transmissão. A Liga Forte do Futebol, por outro lado, atua ao lado da EY (Ernst & Young) com o intuito de encontrar investidores.

Irredutíveis em relação à divisão das receitas — a Liga Forte do Futebol pede equanimidade na distribuição de valores, e a Libra é favorável a uma divisão que prioriza os clubes com maior audiência de TV —, ambas estão confiantes de que haverá duas ligas independentes no futebol nacional.

Já há estruturação para a negociação das cotas de televisão das duas ligas. Os dois lados, contudo, reconhecem que será difícil iniciar uma competição sem todos os participantes para a disputa do novo Campeonato Brasileiro.

O episódio da Conmebol — o Atlético-MG se incomodou com os votos contrários de Flamengo, Corinthians e Palmeiras para a unificação dos títulos — minou ainda mais a relação dos clubes, e deixa uma junção das duas entidades distante.



Qual o problema?
O principal entrave para tirar as ligas do papel é a questão financeira. Existe uma discussão entre as partes sobre a divisão do valor da liga, cerca de US$ 1 bilhão por temporada. De acordo com a proposta confeccionada pelos criadores da Libra, os valores seriam distribuídos da seguinte forma: 40% igualitário, 30% por performance e 30% por engajamento.

Os criadores da Liga Forte Futebol fazem as seguintes solicitações: (i) Divisão de receita de 50% igualitário, 25% performance e 25% comercial, com parâmetros objetivos e mensuráveis; (ii) Diferença de receita entre maior e menor clube tendo como alvo o limite de 1.6 ao longo do tempo (referência Premier League), com o teto de 3.5 a partir do primeiro ano; (iii) Compromisso de que a Série B receba 20% dos recursos de venda de direitos de transmissão.

VEJA TAMBÉM
- [ENQUETE] Com o elenco atual, em que parte da tabela do Brasileirão o Grêmio briga?
- Situação de goleiro argentino tem reviravolta e Grêmio tenta dar chapéu no Flamengo
- Croácia x Brasil: onde assistir, horário do jogo e escalações





Comentários



Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

9/12/2022












EX-RIVAL A CAMINHO? - 16:21 (0)

Bomba: Grêmio negocia com ex-craque do Inter











8/12/2022


















Grêmio volta com caras novas e expectativa por mais reforços - 12:32 (0)

Grêmio volta aos trabalhos nesta quinta-feira com caras novas e expectativa por mais reforços